Blog do Espaço

Carl Rogers: O Humanista que Transformou a Psicologia

Você já ouviu falar em Carl Rogers? Ele foi um psicólogo que com suas ideias proporcionou uma nova visão para a psicologia. Suas contribuições para a psicologia foram tão importantes que ele foi indicado ao prêmio Nobel da paz em 1987. Embora ele não tenha ganhado o prêmio, sua nomeação foi uma forma de reconhecimento por suas contribuições significativas na área da psicologia e por seu trabalho em promover a paz e o entendimento entre as pessoas. Você gostaria de entender um pouco mais sobre suas contribuições? Então esse blog é para você.

Neste blog, vamos explorar três pontos sobre Carl Rogers:
– A biografia de Carl Rogers

– Suas contribuições para a psicologia

– A base da teoria desenvolvida por ele.

A biografia de Carl Rogers

Carl Ransom Rogers nasceu em 8 de janeiro de 1902, em Oak Park, Illinois, nos Estados Unidos. Ele era o filho do meio de uma família protestante, onde os valores tradicionais, religiosos e o incentivo ao trabalho árduo eram muito valorizados.

Quando tinha doze anos, Rogers e sua família se mudaram para uma fazenda, onde ele desenvolveu um grande interesse pela agricultura e pelas ciências naturais. Sempre foi uma criança e adolescente extremamente curioso, aonde seu foco sempre estava em compreender mais sobre o desenvolvimento. Começou a realizar esse olhar a partir da agricultura, por conta da sua experiência de vida.

Para quem deseja conhecer Carl Rogers, entender sobre a sua biografia é fundamental para compreender sua caminhada profissional, pois a sua vida fala muito sobre a sua teoria. Ele sempre foi uma pessoa guiada pela experiência. Durante seus estudos na Universidade de Wisconsin, ele inicialmente se dedicou às ciências físicas e biológicas.

Depois de se formar em 1924, atendendo às expectativas de sua família, ele ingressou no Seminário Teológico Unido, em Nova Iorque. Bom, podemos perceber que suas raízes forte com a religião fez com que ele se dedicasse a compreender também sobre a espiritualidade. Muito atento a sua experiência como sempre, durante a sua vivência no seminário, ele foi exposto a uma visão liberal da religião protestante. Como ele era uma pessoa curiosa, decidiu se dedicar a outras visões, então, mais tarde, decidiu mudar seu foco para a psicologia e a psiquiatria, ingressando no Teachers College da Universidade Columbia.

Com sua experiência na universidade, Rogers se interessou em muitos aspectos do desenvolvimento humano e seu desejo foi em aprender cada vez mais sobre isso. Então, ele se especializou em problemas infantis na Sociedade para a Prevenção da Crueldade contra Crianças, em Rochester, onde obteve seu mestrado em 1928 e seu doutorado em 1931.

Após concluir seu doutorado, Rogers se juntou à equipe do Rochester Center, onde também foi diretor. Foi nesse período que ele conheceu as ideias e exemplos de Otto Rank, que se separou da abordagem psicanalista de Freud.

Suas primeiras experiências clínicas foram baseadas nas tradições do behaviorismo e da psicanálise, enquanto trabalhava como residente no Institute for Child Guidance. Nessa época Carl Rogers, identificou muitas diferenças entre o pensamento psicanalítico e o behaviorismo.

Foi durante seu trabalho em Rochester que ele teve novos insights e percepções sobre o tratamento psicoterapêutico, o que o libertou das amarras acadêmicas e conceituais da psicologia. Em 1942, Rogers assumiu as pesquisas de Psicologia da Universidade de Ohio e começou a explorar e desenvolver uma nova teoria. Foi com essas pesquisas que reconheceu que a efetividade das consultas psicoterápicas estava na relação. Percebeu que a própria relação terapêutica era por si, uma experiência de transformação.

Carl Rogers teve uma jornada incrível, explorando e desenvolvendo abordagens terapêuticas humanistas que tiveram um impacto significativo na maneira como entendemos e ajudamos as pessoas. Sua dedicação e paixão pelo campo da psicologia são verdadeiramente inspiradoras. Ele morreu no dia 04 de fevereiro de 1987 e suas contribuições estão vivas até os dias de hoje…

Contribuições de Carl Rogers para a psicologia.

Carl Rogers ficou muito conhecido na Psicologia e as suas contribuições são notáveis e revolucionárias. Ele foi reconhecido como o fundador da abordagem terapêutica centrada no cliente, que se tornou uma das principais vertentes da psicologia humanista. Rogers acreditava que cada indivíduo possui um potencial inato para o crescimento e a autorrealização, e que o papel do terapeuta é fornecer um ambiente acolhedor e empático para facilitar esse processo.

Suas pesquisas e contribuições foram de importância fundamental tanto para a criação de leis do Conselho Federal de Psicologia quanto para o desenvolvimento e prática da psicoterapia. Poucas pessoas sabem disso, mas Rogers desempenhou um papel essencial no reconhecimento e na valorização da profissão de psicólogo. Sua abordagem humanista revolucionou a psicologia clínica, oferecendo uma perspectiva centrada no cliente e na promoção do bem-estar emocional. Suas pesquisas sobre a terapia centrada no cliente proporcionaram uma base sólida para o estabelecimento de diretrizes éticas e regulatórias que orientam a atuação dos psicólogos.

Além disso, as pesquisas de Rogers tiveram um impacto significativo na área da psicoterapia. Sua abordagem centrada no cliente, baseada em consideração positiva incondicional, empatia e autenticidade, revolucionou a maneira como os terapeutas se relacionam com seus clientes. Pois ele comprovou que as transformações do cliente e a efetividade da psicoterapia estava relacionada há um ambiente terapêutico acolhedor e não julgador, centrado nas necessidades e experiências do cliente. Com essas pesquisas, Carl Rogers comprovou que essas atitudes do terapeuta eram fundamentais para o crescimento pessoal e a autorrealização.

A terapia centrada no cliente desenvolvida por Rogers influenciou e inspirou diversas abordagens terapêuticas modernas, permitindo que os psicólogos adotassem uma postura de consideração positiva incondicional, empática e genuína em relação aos seus clientes, uma relação de humano para humano. Aonde a relação humana é o foco e não a técnica e o diagnóstico. Suas contribuições abriram caminho para a prática de uma terapia humanista e baseada na relação terapêutica, proporcionando um ambiente seguro para a exploração das emoções, conflitos e desafios enfrentados pelos indivíduos.

Em suma, Carl Rogers desempenhou um papel fundamental na evolução da psicologia. Suas pesquisas e ideias foram essenciais para a criação de leis e normas que regem a atuação dos psicólogos, garantindo a ética e a qualidade dos serviços prestados. Além disso, suas contribuições para a psicoterapia promoveram uma abordagem mais humana e acolhedora, permitindo que os terapeutas desenvolvessem relações terapêuticas significativas e facilitassem o crescimento pessoal dos clientes. O legado de Carl Rogers continua vivo e continua a influenciar a prática e a teoria da psicologia até os dias de hoje.

A Base da Abordagem Centrada na Pessoa

A base da teoria desenvolvida por Carl Rogers é conhecida como a importância da congruência entre o self e a experiência vivida. Quando há uma discrepância significativa entre o self real e o self ideal, ocorre o que ele chamou de incongruência, o que pode levar a dificuldades emocionais e psicológicas. Portanto, o objetivo da terapia centrada no cliente é facilitar o processo de congruência, permitindo que o indivíduo se torne mais autêntico e alinhado consigo mesmo.

Como apresentamos, Carl Rogers foi um grande pesquisador, e ao longo das suas pesquisas ele desenvolveu várias teorias sobre a Abordagem Centrada na Pessoa. Vou apresentar um pouco das principais teorias:

Teoria da Personalidade: Na teoria da personalidade da ACP, Rogers postula que todo ser humano possui uma potência para o crescimento e o desenvolvimento. A personalidade é vista como um sistema em constante evolução, onde a pessoa busca alcançar seu desenvolvimento no máximo que ela consegue. Rogers destaca a importância da congruência, ou seja, da congruência entre o self real e o self ideal, para que esse desenvolvimento possa acontecer. Quando há uma congruência, aceitação sobre quem se é, o indivíduo experimenta o caminho de uma realização do seu organismo

Teoria da Psicoterapia: A teoria da psicoterapia da ACP enfatiza a importância da relação terapêutica. Rogers acredita que um ambiente terapêutico genuinamente acolhedor, empático, sem julgamentos é essencial para promover o crescimento pessoal do cliente. O terapeuta atua como um facilitador, fornecendo um espaço seguro para o cliente explorar seus pensamentos, sentimentos e experiências. A ênfase está no desenvolvimento da autorreflexão e na busca pela autenticidade.

Teoria das Relações Interpessoais: A teoria das relações interpessoais na ACP destaca a importância das relações humanas autênticas e genuínas. Rogers acredita que as pessoas têm uma necessidade básica de serem compreendidas pelas suas relações. A empatia e a congruência são fundamentais para estabelecer conexões significativas e promover relacionamentos saudáveis. Através de relações autênticas e verdadeiras, as pessoas podem se sentir valorizadas, compreendidas e capacitadas a expressar suas emoções e pensamentos.

Teoria do Funcionamento Pleno: A teoria do funcionamento pleno na ACP descreve um estado em que o indivíduo está em congruência com seu verdadeiro eu e experimenta um senso de autenticidade e realização. Quando a pessoa consegue alcançar esse funcionamento, a pessoa vive de acordo com seus valores e crenças pessoais, assumindo responsabilidade por suas escolhas e ações. O funcionamento pleno é caracterizado pela liberdade de ser quem se é, sem medo de julgamentos externos.

Teoria dos Grupos: A teoria dos grupos na ACP enfatiza o poder das relações e a capacidade do grupo de se autodesenvolver. Rogers acreditava que a interação e a conexão entre as pessoas em um ambiente com todas as condições facilitadoras poderiam promover o crescimento individual. Os grupos proporcionam uma plataforma para a expressão emocional, o aprendizado interpessoal e a construção de relacionamentos significativos. Ele realizou várias pesquisas com grupos, aonde identificou o poder do grupo na transformação pessoal.

Bom, para concluir o texto é importante considerarmos que Carl Rogers deixou um legado duradouro na psicologia com sua abordagem humanista centrada no cliente. Sua visão revolucionária sobre a terapia e sua ênfase na autenticidade e no crescimento pessoal influenciaram e continuam a influenciar terapeutas e pesquisadores em todo o mundo.

Através de suas contribuições, Rogers nos lembra da importância de fornecer um ambiente de aceitação e empatia, permitindo que as pessoas explorem seu potencial máximo e encontrem significado em suas vidas. Atualmente reconhecendo o distanciamento das relações, Rogers nos faz refletirmos: Como podemos promover relações que possam contribuir para nosso olhar sobre nós e nossas relações. Será que estamos nos afastando de quem somos? Deixo essas reflexões para você!

Espero que este blog tenha proporcionado uma visão geral sobre Carl Rogers e suas contribuições para a psicologia humanista. Ficou com vontade de ter uma relação facilitadora que promove esse contato de você com você. Então, pode ser importante agendar uma Psicoterapia Centrada na Pessoa.  

Clique aqui e converse com uma de nossas psicólogas para conhecer mais sobre os serviços com base na Abordagem Centrada na Pessoa.

,
Elizabeth Mönster

Elizabeth Mönster

Psicóloga, CRP 12/09710

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados:
Abordagem Centrada na Pessoa

A congruência, a incongruência e suas implicações

A congruência é uma das atitudes facilitadoras necessárias para a promoção de uma relação que promove desenvolvimento humano. Ela refere-se ao estado de estar em alinhamento ou harmonia consigo mesmo. Rogers acreditava que a congruência é um componente essencial do crescimento pessoal e do bem-estar psicológico, sendo que esta atitude modificou muito o fazer do psicoterapeuta nas relações com seus clientes, passando ter um papel essencialmente ativo em uma relação de ajuda.

Ler Mais »
Assine a Newsletter do Espaço!

Compartilhe: