Blog do Espaço

Lidando com a compulsão alimentar

A alimentação permeia praticamente todos os campos de nossa vida. No Brasil, comidas estão sempre associadas ao afeto e relações, por isso, para muitas pessoas, comer demais é uma experiência normal e comum. Você pode comer demais se estiver entediado ou estressado. Você pode comer mais, mesmo se estiver satisfeito, em ocasiões especiais, como férias ou feriados como o Natal.

Mas quando comer demais pode se tornar uma preocupação ou até mesmo uma condição, como o transtorno da compulsão alimentar? Para explorar um pouco sobre o assunto, passaremos pelos itens abaixo:

-O comer emocional

-O que é o transtorno da compulsão alimentar?

-Sintomas do Transtorno da Compulsão Alimentar

-Qual é a diferença entre Transtorno de Compulsão Alimentar e comer demais?

-Estratégias de autocuidado para a compulsão alimentar

-Tratamentos para o Transtorno da Compulsão Alimentar

O comer emocional

O comer emocional refere-se à tendência de comer em resposta a emoções em vez de fome física. Muitas pessoas recorrem à comida quando se sentem estressadas, ansiosas, tristes ou entediadas, e podem comer demais ou escolher alimentos pouco saudáveis nessas situações.

Embora seja normal que as emoções influenciem nossas escolhas alimentares até certo ponto, o comer emocional pode se tornar um problema quando se torna a única maneira de lidar com as emoções ou quando ocorre com muita frequência. Além disso, pode levar ao ganho de peso e a problemas de saúde relacionados à alimentação.

O que é o transtorno da compulsão alimentar?

O transtorno da compulsão alimentar, também conhecido como Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP), é um distúrbio alimentar caracterizado pela ingestão excessiva de alimentos em um curto período e uma sensação de falta de controle sobre a alimentação durante esses episódios. Muitas vezes, o TCAP está relacionado ao comer como forma de enfrentamento de

Pessoas com TCAP frequentemente comem grandes quantidades de alimentos mesmo quando não estão com fome e geralmente sentem vergonha, culpa ou desconforto após os episódios de compulsão alimentar. Esses episódios geralmente ocorrem pelo menos uma vez por semana e podem continuar por meses ou anos. O TCAP pode levar ao ganho de peso significativo e a problemas de saúde associados, como diabetes, doenças cardíacas e distúrbios do sono.

Sintomas do Transtorno da Compulsão Alimentar

Os sintomas do Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) incluem:

-Ingestão abundante de alimentos em um curto tempo, com sensação de falta de controle durante esses episódios;

-Comer mesmo quando não está com fome;

-Comer sozinho, por vergonha do que está comendo;

-Sentir-se culpado, envergonhado ou deprimido após a compulsão alimentar;

-Comer até se sentir desconfortavelmente cheio ou até sentir dor;

-Comer mais rapidamente do que o normal;

-Fazer dietas restritivas durante o dia ou períodos prolongados de jejum para “compensar” as compulsões alimentares;

-Comer secretamente ou esconder alimentos para comer mais tarde;

-Preocupação constante com peso, forma corporal e alimentação;

-Evitar atividades sociais ou situações que envolvam comida.

É importante lembrar que o TCAP é um transtorno alimentar sério e que pode ter consequências graves para a saúde física e mental da pessoa. Se você acha que pode estar sofrendo de TCAP, é importante buscar ajuda de um profissional de saúde mental ou um médico especializado em transtornos alimentares.

Qual é a diferença entre transtorno de compulsão alimentar e comer demais?

A diferença entre o transtorno da compulsão alimentar e o simples ato de comer demais está na frequência e na sensação de falta de controle durante os episódios de alimentação excessiva.

Comer demais ocasionalmente, como em uma festa ou em um jantar especial, não é incomum e não indica um transtorno alimentar. Já a compulsão alimentar é caracterizada pela ingestão excessiva de alimentos em um curto período, ocorrendo com frequência e acompanhada por uma sensação de falta de controle durante esses episódios.

Além disso, pessoas com Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) tendem a comer mesmo quando não estão com fome e a experimentar sentimentos intensos de culpa, vergonha ou tristeza após a compulsão alimentar. Esses episódios também podem levar ao ganho de peso significativo e a problemas de saúde associados.

Em resumo, enquanto comer demais pode ser um comportamento pontual, a compulsão alimentar é um transtorno alimentar grave que requer atenção e tratamento especializados.

Aqui estão outras coisas que separam o Transtorno da Compulsão Alimentar Compulsiva de comer demais:

• Você come regularmente, pelo menos duas vezes por semana durante seis meses.

• Você acha sua compulsão muito perturbadora. Se você não tem nenhum sentimento ligado à sua alimentação, geralmente não é um transtorno de compulsão alimentar.

• Você não gosta de comer em público. Enquanto a maioria das pessoas come com amigos e familiares, você costuma comer sozinho.

• Você não sente sinais fisiológicos, como fome ou saciedade. Você come quando está com raiva ou triste.

Estratégias de autocuidado para a compulsão alimentar

Além dos tratamentos profissionais, existem algumas estratégias de autocuidado que podem ajudar a controlar a compulsão alimentar:

-Identifique os gatilhos: identificar o que desencadeia os episódios de compulsão alimentar pode ajudar a pessoa a desenvolver estratégias para lidar com esses gatilhos. Por exemplo, se o estresse é um gatilho, a pessoa pode tentar praticar técnicas de relaxamento, como a meditação.

-Pratique exercícios de atenção plena (mindfulness): a atenção plena pode ajudar a pessoa a se tornar mais consciente dos pensamentos, sentimentos e sensações físicas que contribuem para a compulsão alimentar. A prática da atenção plena pode incluir técnicas como a meditação, a respiração consciente ou a ioga.

-Estabeleça uma rotina regular de alimentação: comer regularmente e equilibradamente pode ajudar a controlar a compulsão alimentar. Estabelecer uma rotina de alimentação regular pode ajudar a reduzir a fome excessiva e a evitar episódios de compulsão alimentar.

-Evite dietas restritivas: dietas restritivas podem levar a episódios de compulsão alimentar. Em vez disso, é importante focar em uma alimentação equilibrada e saudável, que inclua uma variedade de nutrientes e alimentos.

-Pratique exercícios físicos regulares: o exercício físico pode ajudar a reduzir o estresse e a ansiedade, além de melhorar a saúde geral da pessoa. Encontrar uma atividade física que a pessoa goste e praticá-la regularmente pode ajudar a controlar a compulsão alimentar.

-Envolva-se em atividades que você goste: envolver-se em atividades que tragam prazer e satisfação pode ajudar a reduzir o estresse e a ansiedade que podem levar à compulsão alimentar.

-Cerque-se de informações com visões positivas sobre o corpo: se envolva com pessoas e relações, principalmente nas redes sociais, que tenham uma visão de corpo e beleza neutras – a mídia e os círculos sociais podem ser imensamente benéficos. Siga perfis e pessoas com visão de corpos positivas e diversificadas nas redes sociais. Procure memórias e histórias daqueles que se recuperaram do transtorno de compulsão alimentar ou problemas de autoestima.

-Encontre maneiras saudáveis de processar emoções: considere encontrar uma maneira de canalizar a energia inquieta quando os impulsos surgem ou o estresse aumenta. A psicoterapia, principalmente, pode ser uma atividade extremamente necessária ao lidar com suas emoções, compreender seu comportamento e desenvolver novas formas de lidar com as adversidades da vida.

-É importante lembrar que essas estratégias de autocuidado podem ser complementares aos tratamentos profissionais e cada pessoa pode encontrar o que funciona melhor para si. Se a compulsão alimentar persistir ou piorar, é importante buscar ajuda profissional.

Tratamentos para o Transtorno da Compulsão Alimentar

Existem diferentes tratamentos para o Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP), incluindo:

Acompanhamento Nutricional Especializado: uma boa orientação e relação com uma nutricionista pode ser chave para lidar com a compulsão alimentar. Escolha uma profissional com quem se identifique e se mantenha longe de dietas restritivas, que podem contribuir para mais episódios de compulsão alimentar.

Medicamentos: alguns medicamentos podem ser prescritos para auxiliar no controle dos impulsos alimentares e reduzir os sintomas de depressão e ansiedade associados ao TCAP. Você pode procurar um endocrinologista ou psiquiatra para obter uma avaliação de sua realidade.

Mudanças no estilo de vida: fazer mudanças no estilo de vida, como seguir uma dieta saudável e equilibrada, praticar exercícios físicos regularmente e estabelecer uma rotina de sono adequada, pode ajudar a controlar a compulsão alimentar e melhorar a saúde geral da pessoa.

Psicoterapia individual: pode ajudar a pessoa a identificar e modificar sua percepção de si e os comportamentos que contribuem para a compulsão alimentar. A terapia auxiliará a pessoa a desenvolver habilidades para lidar com as emoções negativas sem recorrer à comida e a estabelecer novas relações com a alimentação, para assim evitar episódios de compulsão alimentar.

Terapia de grupo: a terapia de grupo pode ser uma opção para algumas pessoas, permitindo que elas compartilhem suas experiências com outras pessoas que estão enfrentando problemas semelhantes e aprendam com as estratégias de enfrentamento uns dos outros.

É importante ressaltar que o tratamento ideal para o TCAP pode variar conforme as necessidades singulares de cada pessoa. Se você acredita que pode estar sofrendo de TCAP, é importante procurar ajuda de um profissional de saúde mental ou um médico especializado em transtornos alimentares.

Sabemos que nem sempre isso é fácil e se você perceber que precisa de ajuda para lidar com seus desafios cotidianos, a Psicoterapia presencial ou a Consulta Psicológica on-line podem ser o caminho!

Clique aqui e converse com uma de nossas psicólogas para conhecer mais e entender o que faz sentido para você, pode ser que você se você precisar de ajuda neste processo, conte conosco!

Imagens: https://br.freepik.com/

Juliana Fitaroni

Juliana Fitaroni

Psicóloga, CRP 18/02964

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados:
Infância e Adolescência

“13 Reasons Why” para viver

Você já deve ter percebido a quantidade de questões emocionais vividas pelos adolescentes da nossa sociedade, não é mesmo? A segunda temporada da série 13

Ler Mais »
Assine a Newsletter do Espaço!

Compartilhe: